Geral

Vacina começa por pessoas acima de 80 anos e profissionais da saúde na frente de guerra, diz Caiado

O governador Ronaldo Caiado (DEM) informou durante uma live transmitida em suas redes sociais nesta terça-feira (22) que a vacinação contra a Covid-19 deve começar pelas pessoas com mais de 80 anos e pelos profissionais de saúde “que estão na frente de guerra” e citou como exemplo os que atuam em UTIs, ambulatórios e “hospitais com maior incidência de tratamento de pacientes”. Segundo ele, conforme o volume de doses fabricadas for aumentando outros grupos vão sendo atendidos. “Depois 75 anos, depois gradualmente vai descendo de acordo com a oferta.”

A pauta da transmissão era para anunciar o repasse extra de R$ 140 milhões na área da saúde para todas as prefeituras goianas, mas Caiado acabou falando sobre outros assuntos, como a ampliação dos leitos hospitalares regionalizados, a inauguração do Hospital Regional de Uruaçu em janeiro, chamou a atenção dos novos prefeitos e os reeleitos para o fim do auxílio emergencial do governo federal para os brasileiros a partir do mês que vem e, também, falou sobre vacinas contra a Covid-19.

Caiado disse que já estão para chegar 600 mil doses desenvolvidas pela Pfizer/BioNTech e que a partir de 20 de janeiro serão entregues pelo Instituto Butantan, de São Paulo, 6 milhões de doses da Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac. E entre os dias 10 e 12 de fevereiro seriam entregues 15 milhões de doses pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) da vacina desenvolvida pela AstraZeneca/Oxford.

Em entrevista ao Bom Dia Goiás, da TV Anhanguera, pela manhã, o governador disse que com estas doses a vacinação começaria no Estado a partir de 10 de fevereiro. Depois, sua assessoria explicou que a data seria a previsão nacional do início da campanha e frisou que Goiás estaria inserido nela junto com todos os Estados. Caiado tem feito um discurso forte de apoio ao Plano Nacional de Imunização (PNI) e do Ministério da Saúde desde que o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), anunciou que em seu Estado a campanha teria início em 25 de janeiro caso o governo federal não aceitasse a Coronavac.

Caiado também disse que a partir de março seriam produzidas no Brasil 51 milhões de doses mensalmente de três tipos de vacina: a Coronavac (30 milhões/mês); a da Fiocruz (15 milhões/mês); e a vacina russa Sputinik V, pelo laboratório União Química, de Brasília.

O governador também usou a live para dizer que o Estado está preparado com seringas e equipamentos de proteção individual (EPIs) suficientes para atender a demanda de vacinação.

Diomício Gomes
Ronaldo Caiado assumiu postura de defesa do governo federal e de ataque ao paulista na luta pela vacina
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ANUNCIE AQUI